sábado, 27 de novembro de 2010

Unidade de Política Panificadora


Toda polícia é antes de tudo uma questão política, e esta que nos deforma nos vê quadrados como pães de fôrma. Mexe com a massa, com a promessa que um doce daria, como um sonho que não fosse de padaria. Mas vem em pane, trazendo pânico.
Pacificam ou panificam? São mais o front, o enfrentamento frenético, o confronto pelas áreas, o domínio espúrio, o ó, Banco Imobiliário e Tabuleiro de War. Prédios perto milionários aumentam seus valores em meio ás condições pseudo melhores. Se conquista terra, mas mantem-se a escória: expulsam os bandos mas não prendem armas, homens ou drogas. Fincam suas bandeiras, ficam suas fardas e o tráfico migra procurando vaga.



Na favela, desassistido, o pobre frágil como um dente de leite assiste ao deleite do governo reeleito pelas bases do seu carro-chefe e sossega o facho. É faxina ou fachada? A polícia sempre se fez presente com o braço que repreende, que oprime, que defunta: o 'presunto' e agora, vem vender cidadania? Erva Daninha dos 'beltrâmites' mequetrefes. E não é o seu carro, chefe, que tá lá queimando?

O Governo se pronuncia: "Não se faz omelete sem ovos", e admite, era esperada a resposta dos criminosos. Mas peca. Não se antecipa. Come mosca e o alvo chamusca e paga o preço pelos destroços. Farinhas do mesmo saco! Nós de saco cheio, enfurnados nessas ocas, alguns com cabeças ocas, feridos por mandiocas do descaso.


Conter o tráfico é um detalhe, mas não são heróis o Pepê, o Popeye nem o Papa se não houver a sopa do desenvolvimento como alimento. Que o governo não queira tê-los como clientela a emergir seus votos dando farelos, dando migalhas, pois haverá sempre uma agulha que lhes retalha.
Chama é fogo e necessidade. Clama! É um pedido de um fodido numa guerra servil, onde polícia e bandido estão de um mesmo lado. Guerra civil é o termo, mas incomoda os inimigos de terno, que falam da Copa, que antes aqui isso nunca se viu, que a medida é severa e o problema não mais se verá.
Contra as calúnias: linhas e colunas. Espinha dorsal é educação. Ou então, a batalha naval será batalha na vala. Mais vale um lápis que escreve "vida" e é mais barato que uma bala.

pra ler ouvindo: "NUMA CIDADE MUITO LONGE DAQUI (POLÍCIA E BANDIDO)" de autoria de (Arlindo Cruz / Franco / Acyr Marques) interpretado por Leandro Sapucahy e Marcelo D2. 
créditos para as imagens: fotos 1 e 3: Flick do Jornal Extra; foto 2: designer gráfico Fábio Lopez. 

30 comentários:

Diego alano disse...

Nossa.... è Um desabafo profundo!

Larissa Mejía (: disse...

esse mundo está pirando.
foraça Rio .

Yon disse...

Gostei demais da leitura que fizeste da guerra no ri!
Abraços...

Cláudio Luiz Almeida disse...

A derrubada dos comandos do tráfico nos morros cariocas é necessária e será sangrenta inevitavelmente, é fato. Mas o mercado tem uma lógica cruel, os morros pacificados terão seu metro quadrado valorizado e num futuro é capaz que não exista mais favela e sim empreendimentos imobiliários, quem não gostaria de morar no rj com aquela vista maravilhosa? Um dia o "morro" estará na periferia, com a mesma pobreza, com o mesmo tráfego. Restará saber se haverá disposição\interesse de pacificar o lar dos pobres que não estarão na vista do mundo, escondidos atrás dos outdoors da copa.

mulherices disse...

Diante desse espetáculo dantesco que se desenvolve diante de nossos olhos, no Rio, é mais do que previsível e aceitável que cada um tenha a sua própria interpretação - e que haja muitas divergências de opinião.

Sem entrar no mérito, vc conseguiu produzir um ótimo texto a respeito.

Samir . disse...

Como morador do Rio de Janeiro e fã da Segurança Pública do Estado, apoio totalmente o projeto, tendo é claro, que ser ainda melhorado, mas sem dúvida é um ótimo início.

Se puder, visite o blog, falo bastante sobre esse assunto.

http://sem--hipocrisia.blogspot.com/

Keylla Bins disse...

É, companheiro, isso tudo me faz lembrar daquela letra do D2 "Querem controlar, mas são todos descontrolados"...até onde vamos? Bjo grande. Obrigada pela gentileza de sempre comigo. Boa semana!

Tati disse...

Meu caro, infelizmente o problema ;e bem maior, bem mais complicado. Antes da polícia há políticos corruptos que lavam dinheiro com o tráfico. Convenhamos: num país em que se mata e morre bestamente teria alguma lógica ter um Fernandinho Beira-Mar vivo? É necessário que ele esteja vivo para ser culpado. Não que ele não seja, mas antes dele tem o tal do colarinho branco!

bia santos disse...

Muito legal os trocadilhos. Você soube expressar de maneira poética um momento ímpar que o Rio está vivendo!

Parabéns!

Jorge Martins disse...

é, rapaz...

é impressão minha ou não sou só eu que vê toda essa novelinha mexicana como um circo para a massa...com os "bolsa-seja-lá-o-que-for", eles já deram o pão, agora taí...pelos menos agora temos um palhaço genuíno no congresso...

Sandro Batista disse...

A forma com que vc falou dos acontecimentos é fantástica. Embora concorde em grande parte com a profunda crítica que vc fez, devo dizer que apesar de questionar os métodos, acho que o que foi feito deveria e sempre deverá ser feito. Que tenham interesses políticos, ou quaisquer outros, não importa. Na contagem final dos mortos, acho que a contabilidade sempre será a mesma: com ou sem justificativa. Eu não gosto de falar desse assunto, porque minhas idéias sobre o tema são controversas e radicais. Sou da opinião que pra salvar o corpo, que corte uma perna, um braço, uma parte qualquer. Não há vitória sem perdas. Nada é perfeito. O pvo vai continuar sofrendo? Sim... Mas esse mesmo povo pelo menos poderá a começar a respirar sem ajuda de aparelhos... Aquela gente estava na CTI, com morte cerebral decretada, só faltando alguém desligar os aparelhos....

http://estacaoprimeiradosamba.blogspot.com/

Kiko Lemos disse...

Tenho fé que isso logo vai melhorar

Marcos Costa Melo disse...

Não acho que o caos no Rio será 100% solucionado, mas espero que essa ação da políica tenha sido um pontapé inicial para termos, vá lá, uma certa "paz".

Poeta do entardecer disse...

Bom texto.Que tua reflexão ajude a construir uma sociedade melhor.

na onda da galera disse...

nossa isso foi um verdadeiro terror

Paulo Cheng (Rico) disse...

Quero ver ano que vem quando o Exército deixar o morro do Alemão se os policiais vão dar conta.

medicine.practises disse...

Uma situação bem delicada...
O governo está tentando demonstrar que o Rj pode sediar uma Olimpíada
http://medicinepractises.blogspot.com/

G' Stresser. disse...

Acho que não seríamos capazes de contrariar tamanho desabafo. Paz, só isso!

Aristides de Albuquerque disse...

Ótimo texto pow

"chama é fogo e necessidade. Calma! é uma pedido de um fodido numa guerra servil..."

colocar versos que rimam
em um assunto cheio violência
querendo promover a paz

é ótimo mesmo

eu gosto disso

susana anonima disse...

nooooooooooossa...

Nunk tinha lido um texto a respeito e me divertido tanto, caraaca.. Muito bem escrito, suas pegadiinhas de escrita...


Falou muita verdade voce!


Um abraço!

André Brito Oficial disse...

Muiitooo legal seu Blog, textos muito bons!!! ^^
Jah to te seguindo, e se puder espero que retribuía =D
To te esperando no meu Blog 

________________Blog_______________
http://andrebritooficial.blogspot.com

Preguiça alheia disse...

Parabéns pelo blog.. entra no meu e se gostar pode seguir!!

ps.: estou te seguindo!

Gostei do texto e da reflexão!!

Abraço,
P.A.
______________________________________
http://www.preguicaalheia.blogspot.com

Kelly Christi disse...

pois é querido, na favela as manhãs não são puras, nem com ceus azuis, tudo é cinza, inclusive pra que sobrevive à guerra.

bjs

Yon disse...

Oi Alan, estou te presenteando com um Selo. Dá um pulo lá no Só Palavras!
Abraços....

Gabriel Pozzi disse...

certa vez no ensino médio tive que dissertar sobre a frase "apenas se alcança a paz por meio da guerra".
naquela época lembro que eu tentei argumentar sobre as guerras mundiais, que de alguma forma serviram como uma conscientização, onde muitas pessoas a consideram um mal exemplo.

maas, com textos como o seu, confesso que vejo meus argumentos partidos, afinal, como vc disse, o que ocorre é uma migração de guerra e uma nova bandeira fincada em um território conquistado... a imagem do War diz bem: o objetivo do jogo não é apaziguar a africa ou o oriente médio, é guerrear para conquistá-lo, guerrear para defendê-lo, guerrear, guerrear......

Você disse a frase "chama é fogo e necessidade", e eu complemento com uma frase de uma banda chamada "Swan Lake", que traduzido diz assim: "Todo tipo de fogo precisam queimar uma vida para viver".
Acho que encaixa com a situação triste e com seu texto perfeito!

um forte abraço!!!
http://songsweetsong.blogspot.com/

Katrine disse...

E quando foi que violência, algum dia, trouxe paz? Faz sentido. Não é paz, é medo. É só um "trocar o problema de lugar". E as consequências mesmo acabam ficando para quem não tem nada a ver com isso.
Adorei seu post.

Abraços.

Victor Von Serran disse...

lembrei dos meus textos de comunicação...como a escola de Frankfurt e o uso da força e manipulação...


bem escrito como sempre....te espero lá no meu !

PCN disse...

Engraçado como a música complementa o texto. Fodão, parabéns!

Senhor Zeus disse...

Foi e é cruel tudo que acontece lá no RJ, não gosto nada de ver o que acontece lá!
Muitos morreram... triste :(
Boa sorte com o blog!

regiane disse...

Por que não fazem isso em todas as favelas,porque oder pra isso a policia ja mostrou q tem
http://cabelobeleza.com